segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Areias da Vida




Só em meio a multidão
Observo corpos perpassando
Mãos esbarrando
nunca se tocando
Respiração ofegante
Sinto o pulsar dos corações
Gritos sufocados
Almas entre abertas
Cantos sem poesia
Vazios, infindos, profundos
"Quasares" da solidão
Pressa
Correria
Agonia
Euforia
Medo
Confusão
Olhares zumbificados
Passos automatizados
Caminhos entrelaçados
Rostos desafeiçoados
"pobres, cegos, nus"
Fluxo neurado
Parar, seguir
Seguir, parar
Carros em mar
Gentes em ondas
prá lá, prá cá
prá cá, prá lá
Sonhos quebrados
Esperança partida
Amores desfacelados
Dia a dia
Formando areias da vida

Maria de Fátima Méres de Morais

Nenhum comentário:

Postar um comentário