Reverso





Bela acordada
dos sonhos adormecida
cem anos perdida
do seu Príncipe esquecida
passa os dias a esperar

Um dia fugistes da roca
o dedo não quis espetar
agora tão linda menina
não há encanto a quebrar

Sina, destino ou mazela
triste sorte a levar
tocar, dançar, cantar
dia e noite, noite e dia
sem parar

Dona de uma beleza rara
doçura, destreza, nobreza
faceira, delicada, amorosa
só mesmo à uma rosa
eu a posso comparar

Bela Princesa não teima
faça o que vou aconselhar
se entregue aos contos da vida
adormeça nos braços do tempo
quem sabe ao despertar
uma Rainha Bela
vai se tornar

Maria de Fátima Méres de Morais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

Manual do Caminhante

PAI