sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Estrela




Coisas corriqueiras
da noite faceira
estrela cadente, errante, trapaceira
Levou num rompante, toda poesia do luar
Roubou meus segredos
esparramou-os pelo chão
Do pouco que ficou
sobrou só ilusão

Por onde andará
minha estrela ardente
cativante, envolvente
Me fez saudade, tristeza e desventura
Da minha janela só sei te procurar
Meu coração só sabe gritar:
Por favor minha estrela
volte a me iluminar

Remendando o que restou
pedaços que tento encaixar
Prossigo na jornada
Perto ou distante
a medida de um olhar
cem dias ou mil anos
o que importa é caminhar
Levando sempre a certeza
de um dia te encontrar!

Maria de Fátima Méres de Morais




Nenhum comentário:

Postar um comentário