Rua Só




Rua Nua
Solitária
Enfumaçada
Prisioneira
Desprezada
Bandida

            Do seu Tesouro perdida:
                        velhos
                        jovens
                        crianças
                             mulheres
                             homens
                             animais
                                  famílias
                                  amigos
                                  namorados
                                      peregrinos
                                      artistas
                                      ambulantes
                                      viajantes
Triste Rua de então
segue enfrente
consciente

Saudosa das cantorias
revoadas de meninos
serenatas
jogos
rodas
bolas
pipas
peão


conversas de cumadres
desfiles de donzelas
banquinhos no portão


bondes
cavalos
lampião

brincadeiras
casamento
romaria
confraria
festança
são relíquias distantes
guardadas na lembrança

         Calçadas vazias
           trajadas de agonia
            violência
              medo
                silêncio
                    deserto
                       solidão
Rua Só
sem companhia
Já não tem com quem correr
Já não tem com quem brincar
Não sabe mais conversar
Passa as noites a lamentar
Hoje é só um lugar de passar

Maria de Fátima Méres de Morais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

Manual do Caminhante

PAI