Era Uma Vez






Eu vou partir...
e a culpa é da solidão das estrelas
e a culpa é dos soluços da lua
e a culpa é do perfume das flores
e a culpa é  da preguiça solar
e a culpa é dos carinhos do vento nos meus cabelos

Eu vou partir...
prá não chorar
prá não ter que explicar
prá não ter que admitir
que não tentando encontrar
encontrei
prá não ter que pertencer
prá desistir de ser
prá desistir de ter
prá não me arrepender

Eu vou partir...
não vou me deixar levar
pelo canto do anoitecer
nem pelos suspiros das tardes orvalhadas
nem pelo jeito doce do dia quando vai amanhecer

Eu vou partir...
não tente me impedir
não venha discutir as razões
não vou escutar o que tem a dizer
não vou parar prá pensar
não vou querer nem saber

Eu vou partir...
e meu ir não admite vir
é despojado de bagagens, lembranças
ou recordações
vale apenas pelo tempo que se esgotou
por tudo que se aproveitou
cada sincero sentir

Eu vou partir...
e já é muito dizer!



Maria de Fátima Méres de Morais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

PAI

ILUSÃO