Egografia





Sou duas ou muitas versões
daquela que me dizem ser eu

Não sou muito corajosa
mas atravesso os caminhos, trilhos,
labirintos e abismos do meu coração
querendo ou não

Já faz tempo me perdi
ás vezes é dificil voltar
procurar e reencontrar a direção

Um sonho tardio
empoeirado, confuso e amassado
sequestrador do passado
teima na procura daquela que
dizem que já não sou

Complicando e arrastando
meus olhos afogados
no suor da fantasia
me finjo de viva
rio manso sem destino
é o que realmente sou.


Maria de Fátima Méres Morais





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

PAI

Manual do Caminhante