Releitura






Riscando e rabiscando
amassando papéis
procurando relevâncias
no fundo do baú
só sobrou uma frase
aquela que não queria calar

Absurdas lembranças
fantasmagóricas palavras
pra que guarda tanta coisa
se nunca irei usá-las
não me servem para nada

A frase questionadora
única e verdadeira
só ela vale a pena guardar
todo o resto eu rasgo
e me desfaço

Cada um tem a sua
distinta e universalmente subjetiva
guarde-a e relembre sempre
suas difusas utilidades
ou apenas sua versatilidade

Em caso de dúvida
sua nua e crua fragilidade
poderá ser muito útil
até mesmo libertadora
do estigma de uma vida morta.


Maria de Fátima Méres Morais




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

Manual do Caminhante

PAI