Marionetes



Aí que triste são as guerras
dos que lutam inocentes
não percebem a camuflagem
dos que usam suas mentes
perdidos no acreditar
deixaram a casa dos questionamentos
agarrando-se ao medo de pensar
poluindo a bioética
revirando a realidade
e as responsabilidades
ruminando limites
no santuário dos excessos
como adorar a  deusa das Justas Medidas
desigualando-se do igual
cedendo as fontes legitimadoras
do ter pelo ter
no ocaso ser
um pertencimento embrionado
ao desvinculado
buscando opções sem escolhas
na escola múltipla dos afazeres des-significados
apropriando-se dos ninhos da eloquência
amarrados aos véus
da mortalha do consumismo
sorriso calado
olhar aficionado
pendularmente levados


Maria de Fátima Méres Morais




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

Manual do Caminhante

PAI