ALMA






Cavalos ligeiros
Conhecidos forasteiros
Cavalgam em círculo
Histórias de guerreiros
Romances de violeiros
Lambuzando de poeira
Os sapatos das senhoras
Que por eles ousam passar

Aflitas cantorias
Rua adentro
Noite afora
Doces e quimeras
Copos de madeiras
Rindo à toa
Bobos
Tolos
Suspiros cansados
Nutridos da coragem
Esparramados na mesa
Esperam o jantar

O ar é frio
Denso
Consumidor
Gritos
Lamentos
Promessas
Ontem, hoje se misturam
Plainando no tempo
Só não ocupam o mesmo lugar

Quietos, solitários
Cavaleiros adormecidos
Espadas embainhadas
Tantas lutas
Ganhas ou perdidas
Esvaindo-se na estrada
Alimento de outros viajantes
Sossega a calmaria
Tranqüiliza a paciência
Abraçados na leitura
de um novo começar



Maria de Fátima Méres Morais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

PAI

ILUSÃO