POETA




De repente poeta
trocando em miúdos
os mapas das estrelas e do coração

Flecheira de almas
distraídas, carentes
cobertas de fantasias

Palavras escorrendo entre os dedos
esmagadas ao vento
pisadas no tempo
engarrafada
guardada
envelhecida

Mercado exigente
produz seus amantes
eternos anseios de falsos senhores
compradores, cambistas
valorando até as migalhas
do líquido enebriante

Cálida, solística
tênue loucura
assombrada melancolia
meneios da vida
esmerilho constante
sopro de vulcão.



Por: Maria de Fátima Méres Morais




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AQUELA ÁRVORE

PAI

ILUSÃO